domingo, 29 de abril de 2012

Sem medidas


Estive de passeio por diversos lugares, aproveitei todos os dias e costumava não ouvir o que os outros tinham a dizer sobre o que eu fazia ou deixava de fazer, muitas pessoas próximas costumavam me perguntar a razão de eu fazer tudo tão as claras e no fim ainda gargalhar das opiniões dos hipócritas, e eu sempre respondia igual: ''quero ter o que contar no futuro, quero estar velha em uma cadeira de balanço mas sabendo que vivi tudo que tive que viver, que não abri mão de  nada que a vida me ofereceu, que amei sem medidas, que errei muitas vezes e sem essa história de errei tentando acertar, errei porque quis errar, não parei pra pensar no caso de não fazer pois tal pretendente poderia pensar mal, que se ferrem os pretendentes, goste quem quiser gostar, e se achar que o certo é não gostar, que bom, terei mais um ao meu redor pra dizer o quanto acha errado minha maneira de fazer as coisas, e querendo no fundo ter alguma coragem para fazer igual.''
Fui feliz nas minhas escolhas, sofri quando algumas não tiveram os resultados que esperei, mas em momento algum me  arrependi de nada, pois até quando escolhi errar, estava contribuindo para me tornar esse incrível ser humano que sou hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário