segunda-feira, 2 de abril de 2012

Como sonho

As luzes piscavam num ritmo acelerado e incerto, hora acendiam ali, outra hora bem aqui do lado, no meio das luzes malucas que iam e viam estava ela com o cabelo escuro mais bonito que já vi na vida, era escuro a ponto de sumir quando as luzes não piscavam próximo a ela, usava um batom laranja cintilante que minha boca quis tirar no momento em que meus olhos o viram, tomei uma certa coragem -dessas que vendem em garrafa nos botecos que a gente encontra por aí- e cheguei perto, dali em diante estava hipnotizado, daquela menina meio mulher vinha um cheiro que não era de perfume nenhum, um feromônio natural que me enlouqueceu instantaneamente e eu não pude deixar de segura-la pela cintura, ela assustada virou rapidamente e algo me diz que gostou do que viu -com toda modéstia sou um rapaz bem apanhado- tanto que sorriu, pra logo após me perguntar se eu estava maluco, eu sorri e soltei de imediato a primeira coisa que veio na mente e não poderia ter sido mais clichê: "Estou, por você." Ela gargalhou, me deu as costas e saiu andando como se eu não estivesse ali, dei dois passos largos e segurei ela pelo braço, quando virou de volta para mim tinha uma expressão que misturava raiva e curiosidade, de toda forma era uma expressão que me dava só alguns segundos e eu precisava dizer algo bom o suficiente, pensei depressa e disse: "Acho que gosto de você." No momento aquilo pareceu a coisa mais ridícula de se dizer, mas quando parei pra notar, ela havia baixado a guarda, seus olhos agora fitavam meu rosto por entre as luzes que iam e vinham, ela me permitiu que eu a segurasse pela cintura e dessa vez estava de frente para mim, aproximei seu corpo o máximo que pude, ainda estava de olhos abertos quando a vi fechar os seus, agora estávamos tão próximos que sua respiração tomava o meu ar de uma maneira que não era ruim, era de uma forma que me fazia querer lhe dar todo ele, mesmo que eu sufocasse, não resisti e finalmente encostei meus lábios nos dela, foi como se tudo em nós se encaixasse, como se aqueles lábios tivessem sido feitos para ser meus, não pude solta-la nem por um segundo, caminhei abraçado de frente e com os olhos dentro dos dela, pelo meio do lugar até encostar no balcão, onde passei a noite inteira tendo a certeza que estava com a pessoa certa em meus braços, ela pediu para sentar e eu a levei, encostei sua cabeça em meu peito e deixe-a dormir, ela fazia isso como um anjo.
Acordei no meu quarto sozinho com o despertador "trinando" desesperadamente do me lado, havia tido pela milésima vez aquele sonho, que não era sonho, era déjà vu, eu já havia estado ali realmente, já tinha vivido aquele momento há alguns anos atrás na primeira vez que a encontrei e meu castigo era ter esse sonho todas as noites, desde que a coloquei para fora da minha vida sem nem ao menos saber exatamente o porquê.

Um comentário:

  1. Teu blog é lindo, parabéns!

    Vem conhecer o meu:
    leiakarine.blogspot.com

    ResponderExcluir